quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Pena


Soneto das Metamorfoses

Carlos Pena Filho

Carolina, a cansada, fez-se espera
e nunca se entregou ao mar antigo.
Não por temor ao mar, mas ao perigo
de com ela incendiar-se a primavera.

Carolina, a cansada que então era,
despiu, humildemente, as vestes pretas
e incendiou navios e corvetas
já cansada, por fim, de tanta espera.

E cinza fez-se. E teve o corpo implume
escandalosamente penetrado
de imprevistos azuis e claro lume.

Foi quando se lembrou de ser esquife:
abandonou seu corpo incendiado
e adormeceu nas brumas do Recife.


Amanhã é dia de voltar para João Pessoa.

Encontrei em Recife minhas amigas amadas de tantos anos atrás e para sempre em frente.

Nesses dias dei a guardar para minha coleção de lembranças, nos olhos e no coração a cidade que ainda amo (apesar de seus estranhos cheiros e prédios altos e excessivos que sufocam as tentativas de suspiros de saudades).

Fui feliz por uns dias em confraternizações e risadas. Triste em términos à distância e lágrimas. J.

Amanhã...

3 comentários:

Caminhante disse...

Sério que você tem que voltar? Que triste. =/

Borboletas nos Olhos disse...

Que delícia é estar com amigas de tal identidade e afeto. Gosto muito de Recife e olhe que meu conhecimento praticamente se dá de janelas de hotel. Bjs (esperando vir fazer saudade aqui).

Borboletas nos Olhos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...